“Rastrear para evitar surpresas”, diz Edna sobre vacinas

Atualizado: 25 de mai. de 2021

Por: Neusa Baptista Pinto



A vereadora Edna Sampaio (PT) voltou a defender nesta terça-feira (18) que sejam criados mecanismos de rastreamento das doses de vacina contra a Covid-19 recebidas pela Secretaria Municipal de Saúde para evitar problemas como os que foram apontados nesta segunda (17) pela própria prefeitura para justificar a falta de vacinas para a aplicação de segunda dose, em Cuiabá.




A Secretaria admitiu ter vacinado 2,5 mil pessoas de outros municípios e identificou perda técnica de imunizantes, o que prejudicou o andamento da imunização.


A vereadora vai reivindicar ao colégio de líderes que sejam incluídos na pauta de discussão os projetos de lei referentes à renda e à vacinação de sua autoria que tramitam na Casa.


Um deles é o PL nº 006/2021, que determina a criação de mecanismos de monitoramento das doses recebidas pelo município, dos grupos atendidos e a disponibilização destas informações em dados abertos.


De acordo com o PL, devem ser informados lote, quantidade de doses, responsável pelo transporte até o município, identificação do paciente, da data e do local da vacinação, do grupo prioritário e do lote ao qual pertence a dose aplicada. Também devem ser identificados os profissionais de saúde que qualificaram o paciente no grupo prioritário e os que fizeram a aplicação da vacina. A alimentação da plataforma deverá incluir dados retroativos, coletados desde o início da imunização.

“Temos poucas informações sobre como está se dando a vacina em Cuiabá, precisamos de maior transparência para que possamos acompanhar a vacinação e para não ocorrer a surpresa que nós vimos agora acontecer. Espero que possamos pautar nesta Casa temas que, de fato, sejam relevantes para a vida da população porque o povo está sofrendo e precisa de nós”, disse ela.

Renda

Edna Sampaio também defendeu a inclusão na pauta de outro PL de sua autoria, apresentado em março, que cria em Cuiabá a Renda Emergencial Básica de Cidadania, um benefício de R$ 1.100,00 a ser pago mensalmente a famílias de baixa renda da capital, enquanto durar a pandemia.


“Temos aproximadamente 20 mil pessoas em situação de vulnerabilidade e de extrema pobreza em Cuiabá e nós precisamos ter uma política de renda. Por isso, quero conversar na comissão que tiramos no colégio de líderes para que traga para a pauta desta casa os projetos que são relativos à vacinação e à renda; o auxílio emergencial dado pelo governo do federal, de R$150 a R$ 350 por mês, não resolve o problema da vulnerabilidade da população”, disse ela.

Servidores

A vereadora também alertou para os casos de Covid registrados entre servidores da própria Câmara e defendeu dois projetos de resolução apresentados por ela no início de maio, que determinam a testagem semanal dos servidores, o acompanhamento dos casos positivos e a doação de máscaras de proteção e álcool 70% aos funcionários.






“Temos casos inclusive dentro da Câmara então, outro projeto que eu gostaria que essa casa apreciasse diz respeito ao controle da própria Câmara em relação aos seus servidores na abertura das atividades presenciais, precisamos de testagem, precisamos de controle para que a Câmara não se transforme em foco de Covid”.

Também tramita na casa outro PL de autoria da vereadora, de número PL 007/2021, que obriga o executivo a fazer a testagem em massa da população cuiabana e a criar um banco de dados para o monitoramento da proliferação da doença.