top of page
160ee6c0-457f-4996-9239-29b5d6455e6c.JPG

Prints mostram preocupação de vereadora com ex-servidora





Por: Neusa Baptista Pinto/Fátima Lessa


Durante depoimento à Comissão de Ética da Câmara, nesta quarta-feira (28), a vereadora Edna Sampaio (PT) apresentou como provas prints de conversas entre ela e a ex-chefe da gabinete Laura Natasha Oliveira Abreu realizadas entre o dia 21 de dezembro de 2022 e o dia 20 de março deste ano.


Os prints mostram relação amigável existente entre ambas, inclusive após o anúncio da gravidez e quando a servidora já tinha conhecimento da exoneração .

O conteúdo consta de ata notarial de constatação de fato, registrada no 1º Serviço Notarial Registral de Cuiabá.


O material também atesta a preocupação da vereadora com a saúde da ex-servidora e a de sua filha.


Ilustra, ainda, o empenho da parlamentar para que o benefício fosse pago e sua satisfação com a notícia do pagamento e deixa claro que a própria ex-chefe de gabinete pediu o fim de sua cessão à Câmara, contradizendo a tese de que ela teria sofrido pressão ou que tenha havido conflito.


Os diálogos demonstram também que a vereadora intermediou a permanência da servidora até que ela conseguisse mudar sua função dentro da escola onde trabalhava, evitando o trabalho braçal que realizava como técnica de nutrição escolar.



As conversas mostram também como Edna atuou para garantir o trâmite para o pagamento da indenização. Em uma delas, a vereadora informa que está dialogando com a Secretaria de Gestão de Pessoal da Câmara sobre o pagamento da indenização e que falará com o então presidente da Casa, vereador Juca do Guaraná, e com o atual, Chico 2000.



“Oi Laura, boa tarde. Falei com a Bárbara e já estamos vendo a questão da sua indenização. Se não conseguir esta semana, vou precisar negociar com o Juca e com o Chico”, diz a vereadora em um diálogo ocorrido em 21 de dezembro de 2022.



Em outro trecho, é possível verificar também que a vereadora ajudou Laura a viabilizar o exame que que estava sendo exigido para que ela recebesse a indenização, intermediando a conversa com a SGP e que tentou protegê-la do stress.



“Laura, quando você enviar o exame solicitado ao RH, me avise. Qualquer situação com a Bárbara, se houver, fale comigo que eu faço a mediação para evitar estresse para você. Mas acho que não terá, vai dar tudo certo”, diz a parlamentar.



Ela reitera que o acordo feito entre elas será cumprido sem prejuízo à ex-servidora, e completa: “Gostaria que você continuasse conosco do jeito que conversamos, mas compreendo que prefira voltar. A porta para você sempre estará aberta”.


Outra conversa, de 30 de dezembro, mostra que a vereadora tentava acelerar o pagamento da verba. Ela diz: “Como o Chico parece que aceitou esse valor pra te pagar, resolvi fazer logo”. Laura responde: “Acho que sim, entendi”.



Edna retruca: “Nós mandamos ontem a sua numeração, conforme combinamos assim o que eles devem fazer é providenciar o pagamento de suas verbas indenizáveis. Vamos aguardar para ver o que o Chico vai falar porque acho que ele poderá me chamar pra conversar”. Laura responde: “Tá bom”.



Outros trechos de conversas mostram a preocupação da parlamentar com o andamento da gravidez, como o que foi um registrado no dia 6 de fevereiro deste ano, quando Laura informou o sexo do bebê.


“Obrigada, eu estou muito feliz com meu filho. Será um menino ", diz Laura. “Que maravilha! Parabéns, Laura! Um casal de filhos é perfeito. Que venha com muita saúde”, responde a vereadora. “Obrigada, Edna. Boa tarde”, responde Laura.


As conversas demonstram também que a vereadora intermediou junto à SGP a permanência da servidora até que ela conseguisse mudar sua função dentro da escola onde trabalhava, evitando o trabalho braçal que realizava como técnica de nutrição escolar.

As conversas apresentadas comprovam, ainda, que houve, por parte da servidora, incômodo e medo da exposição, depois das fake news divulgadas em março. E que isso a levou a buscar abrigo na casa da mãe.


O trecho, retirado de uma conversa ocorrida após as fake news sobre a exoneração, confirma que a servidora foi para a casa de sua mãe, tremendo a exposição que vinha sofrendo, conforme disse a vereadora durante a reunião da Comissão dos Direitos da Mulher.


Edna diz: “Oi, Laura. Boa noite. E aí, está acompanhando o rojão? Foi pra casa de sua mãe?”. Laura responde: “Oi, Edna. Estou vendo. As pessoas estão falando sobre isso até hoje e esse assunto não encerra. Estou na casa da minha mãe”.



A vereadora diz: “Que bom que foi para casa da sua mãe. Então, era o esperado, né? Mas o jogo é esse mesmo. Estou tranquila com isso”. Laura responde: “Eu também”. A vereadora continua: “Não sei como você se sente a respeito. Tenho me esforçado para não te expor”.

Confira a íntegra dos prints:



COMISSÃO DE ÉTICAO - Prints Laura
.pdf
Fazer download de PDF • 29.71MB

Comments


bottom of page