Posse de suplente: Edna defende rodízio e diz que atividade política deve ser solidária




Durante uma live em seu Instagram, nesta quinta (10), a vereadora Edna Sampaio (PT) afirmou estar satisfeita com a presença do suplente de vereador Robinson Cireia (PT) , que tomou posse nesta quinta e a substituirá durante o próximo mês, na Câmara Municipal. Ela analisou que esta é uma oportunidade de ampliar a atuação do partido em nível local.


Para a parlamentar, que estará afastada durante os próximos 30 dias para tratamento de calos nas cordas vocais, é importante dar visibilidade às lideranças do partido para fortalecer suas pautas e estreitar a sua relação com a população.


“O rodízio é uma estratégia que o PT sempre defendeu. Assim, os mandatos permitem que outros companheiros também ocupem espaço. Afinal, não nos elegemos sozinhos, mas dentro de uma chapa em que os votos vão para a mais votada que, no caso, fui eu. Não foram só os meus votos que me elegeram”, disse ela.


“A política de esquerda é solidária, não pode ser egoísta. Precisamos compartilhar os espaços. Claro que tenho limitações agora, pois continuo com meus compromissos e atividades, mas é importante que o rodízio aconteça para permitir que outros companheiros possam partilhar a visibilidade e a população conheça as lideranças que o partido tem”.


Ela salientou as pautas que defende na Câmara e que serão encampadas pelo suplente, neste período, como o PL de autoria da parlamentar que regula a cobrança pela taxa de esgoto na capital. Protocolado no último dia 4 de fevereiro, ele determina que a cobrança seja condicionada à medição do volume de resíduos efetivamente lançados na rede coletora de esgoto; que seja cobrada tarifa mínima, caso não haja medidor na residência, e que seja proibida a taxação em locais onde o serviço não é prestado.



Também está na pauta outro PL de sua autoria, o qual cria um aplicativo público de transporte, de propriedade da prefeitura, e cujo lucro será 100% revertido aos motoristas. Edna lembrou que esta medida já foi adotada em cidades como Araraquara (SP), cuja prefeitura é ocupada pelo petista Edinho Silva, e defendeu o controle público sobre esta atividade econômica.


“É papel do poder público interferir nas atividades que sejam de interesse público, como o transporte coletivo e a geração e renda. São questões de interesse municipal e, portanto, a prefeitura deve interferir, apoiar para tirar estes trabalhadores da condição de ‘ultra exploração’ por agentes econômicos que nem têm residência aqui”, analisou.


A parlamentar informou que se reunirá com os motoristas de aplicativo para discutir o tema, assim que retornar da licença médica.


“Estão capturando a força de trabalho destas pessoas, sem dar a elas as mínimas condições de atuação. A relação de trabalho é igual à do início do capitalismo, no século XIX, quando os patrões não tinham qualquer obrigação em relação aos trabalhadores”, comentou.


“Queremos a mobilização destes trabalhadores para que o poder público se posicione em sua defesa, criando o aplicativo público e apoiando-os com soluções para a geração de trabalho e renda”.


Meio ambiente


Além destas pautas, nesse período Cireia também deverá participar da discussão sobre o veto do executivo ao PL de Edna Sampaio que criou a Política Municipal de Prevenção e Combate a Incêndios em Cuiabá, que foi aprovado em dezembro do ano passado por maioria, na Câmara.