“Não podemos ficar inertes diante dos ataques à democracia", diz Edna



Diante dos ataques ao Estado de Direito praticados por Bolsonaro e apoiadores (entre eles a apresentação de pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes ao Senado e as manifestações contrárias às instituições de Estado), a vereadora Edna Sampaio (PT) apontou a importância de reagir

.


“São tentativas sub-reptícias, insistentes, de tomar o poder federal de assalto, corrompendo as instituições democráticas de direito”, opinou.


Ela chamou a atenção dos vereadores a não ficarem inertes, imunes e omissos diante da situação política do país, e de relacionar as demandas locais e as omissões e ações do governo federal no que diz respeito à ausência de políticas públicas.


“Não adianta olhar para a poluição do Ribeirão da ponte sem olhar o que esse governo fez em relação ao meio ambiente. A porteira foi aberta, a Amazônia foi destruída, 40% do Pantanal foi destruído por incêndios criminosos porque a boiada tinha que passar”, disse ela, apontando o usufruto do estado por parte de uma elite brasileira. “É preciso olhar para a árvore, para a floresta, também”, disse ela.


A vereadora citou a importância de reagir contra os ataques à democracia, apontando o quanto Cuiabá está sendo afetada pela falta de respeito às instituições e ao estado democrático de direito, analisando que o governo Bolsonaro corrompe a Polícia Militar.

“Não aceitaremos que o governo Bolsonaro converta os policiais militares em agentes da desobediência civil da desorganização institucional e da violação e corrupções das instituições democráticas”, disse.


A vereadora comentou que, quando esteve em Cuiabá, no último dia 19, Bolsonaro não se reuniu com o prefeito ou o governador para discutir temas de interesse público, mas sim com militares, apontando ligação entre esta ação e sua iniciativa de mobilizar a PM em todo o país.


“Quero chamar a atenção da cidadania, dos que defendem a democracia, independente de sua coloração ideológica. A democracia está acima de qualquer partido, a democracia é construção do povo brasileiro que custou muitas vidas”, disse ela.


“O que acontece neste país, acontece aqui, não estamos isolados e é por causa da omissão deste governo que nós somos hoje o estado com maior número de mortes por Covid-19. E a responsabilidade não é do povo, que não usa mascara, é do agente público, que deveria cumprir com sua responsabilidade institucional e não cumpre”, disse ela.