Edna Sampaio entrega moção de aplauso a quilombolas




Em visita às comunidades Aguaçu de Cima, no quilombo de Mata Cavalo, neste domingo (13), a vereadora Edna Sampaio (PT) exaltou as características do povo negro, que teve que enfrentar duras batalhas para conseguir recuperar suas origens culturais e sobreviver à escravização, e que compõe hoje a maioria da população, mas não tem representatividade política à altura.





Ela destacou sua ascendência, que é indígena e negra, e comentou que leva na lembrança as visitas que fez ao quilombo em companhia de sua avó, a Sra. Apolônia, que é prima da esposa do Sr. Antônio “Mulato” e salientou as condições em que vive os negros no Estado.


“Tenho muita preocupação com a nossa população negra, que é a maioria do povo e também a maioria da população empobrecida, que sofre, que não tem tido do Estado, do poder público, a atenção que precisa. Mato Grosso é um dos estados mais negros do país, e, no entanto, não vemos nossa gente nos espçaos de decisão política, sempre temos que pedir de pires na mão o que é dever do Estado nos oferecer”, disse ela.


Ela destacou a importância de os negros e negras ocuparem espaços de poder para pautar suas demandas e valorizar sua contribuição na construção do Estado, que vem desde a resistência dos antepassados à escravização.


“Precisamos ocupar os espaços de poder para que falemos da nossa vida, do nosso povo, do nosso sofrimento e do quanto contribuímos e podemos contribuir para o desenvolvimento do estado e do país. Com tão pouco que a sociedade nos dá, nós fazemos tanto, transformamos a nossa realidade. Por isso, quero falar sobre a importância de uma mulher preta ocupar estes espaços, como cada um de nós, poder falar sobre a nossa história, nossa vida e do poder público olhar para a gente, pois somos maioria ”, disse ela.


A vereadora lembrou que 60% dos tres milhões de habitantes de Mato Grosso são negros.

“Não podemos nos contentar em ser representados por quem não sabe o que é viver nesta condição, sob esta pele negra, nesta sociedade ainda muito racista, que nos coloca para baixo e onde todos os dias temos que lembrar o quanto somos importantes, bonitos e inteligentes. Se não fosse pela nossa inteligência e a de nossos antepassados, não estaríamos aqui”, disse.




"Vamos construir uma candidatura negra em Mato Grosso. Vamos ocupar a Assembleia Legislativa com o nosso corpo e com a nossa voz. Vamos transformar esse projeto de candidatura em um projeto de afirmação dos direitos da população negra”, disse ela.


Ela falou sobre os problemas enfrentados pela comunidade de Mata Cavalo e região, que carece de investimentos em diversas áreas, entre elas a infraestrutura, a saúde, a educação, o transporte, o escoamento dos produtos agrícolas, a regularização fundiária e a disputa pelo território, destacando a omissão do poder público para que isso se efetive.


“Eu quero me colocar à disposição para esta luta, que também é e será a minha luta em espaços onde possamos fazer mais. Não é algo impossível, difícil de ser feito, é preciso que o governo do estado tenha boa vontade para regularizar a situação deste quilombo, que é um dos mais antigos de Mato Grosso”, disse ela.


A vereadora também entregou à comunidade as moções de aplauso aos representantes indicados pelos quilombolas para receberem a honraria por ocasião da Semana da Consciência Negra, em novembro de 2021. “Queremos homenagear muito mais o novo posso por essa luta da qual fazemos parte”, disse ela.