Edna participa de ato contra privatização da Eletrobras

Por: Neusa Baptista Pinto


O governo de Jair Bolsonaro atua no Senado para votar a Medida Provisória (MP) 1.031/2021, que prevê a privatização do Sistema Eletrobras, a maior empresa de energia da América Latina.


Nesta quarta (9), a vereadora Edna Sampaio (PT) participou de um protesto contra a privatização da estatal, realizado pelo sindicato da categoria, em frente à sede da Eletronorte, na Estrada do Moinho.



“Sabemos o que significa a privatização. Nada mais é do que a estratégia de corrupção institucionalizada mais grave que existe no país; a privatização visa transferir um patrimônio público de 59 anos, onde houve investimento da força do país em construir este sistema, para entregar para as mãos privadas, o que só está acontecendo porque, no nosso país, as elites são sócias minoritárias do capitalismo central; elas não se importam com a soberania nacional”.

“Esse ato é liderado pelas mulheres, que são as responsáveis pelo sustento de suas famílias, em sua maioria, e que passam pela dificuldade de pagar por uma energia elétrica cada vez mais cara. Já temos hoje a energia mais cara do país, e, caso privatize a Eletrobrás, teremos um aumento muito maior. Infelizmente, esse governo não pensa na sociedade, nas famílias, nas mulheres”, disse Tânia Mota, funcionária da Eletronorte e uma das lideranças do movimento.


“Conclamamos os senadores de Mato Grosso e do Brasil para que votem contra a aprovação desta medida, que discutam mais esse projeto para que tenhamos mais estabilidade e controle sobre a produção da energia em nosso país; o Brasil está na contramão do mundo privatizando sua energia”, disse ela.


O movimento também protestou contra os mais de 470 mil óbitos por Covid no país, contra a ausência de políticas públicas de combate à pandemia e pelo impeachment de Jair Bolsonaro.