top of page
160ee6c0-457f-4996-9239-29b5d6455e6c.JPG

Cattani: Edna lembra que votou contra título e vereador pede revogação





Uma fala feita pela vereadora Edna Sampaio (PT), durante a sessão ordinária desta terça-feira (30) foi o que motivou o pedido de revogação do título de cidadão cuiabano concedido pela Câmara ao deputado estadual Gilberto Cattani (PL) em 2021.



Na última semana, o deputado gerou polêmica ao comparar a gestação feminina à das vacas e, posteriormente, publicar um vídeo em que sua esposa aparece mugindo, como um deboche à polêmica gerada. Ontem (29), ele publicou vídeo pedindo desculpas às vacas por suposta comparação delas a feministas.


A vereadora lembrou que votou contra e protestou contra o título concedido a Cattani em 2021 e destacou o papel da Câmara na concessão da honraria. Ela afirmou que considerou ofensivas as postagens onde o deputado afirmava que ser homofóbico é uma escolha tanto quanto ser gay e por isso foi contra o título.


Edna lembrou que foi condenada pela Justiça a pagar R$ 3 mil de indenização ao deputado por danos morais pelo fato de ter exposto sua opinião sobre o caso nas redes sociais.



Ela destacou os diversos ataques feitos por ele aos direitos LGBT e de outras populações vulneráveis e atribuiu sua conduta à impunidade.



Logo após a fala da parlamentar, o vereador Luis Cláudio anunciou que entraria com requerimento para que o título de cidadão cuiabano fosse revogado.



A vereadora repudiou a violência de gênero cometida por Cattani contra todas as mulheres ao compará-las a vacas, mas também cobrou que os parlamentares dêem atenção à violência que atinge ela própria.



“Para além das falas genéricas sobre violência contra a mulher, precisamos ser capazes de defender também as mulheres que estão sofrendo violência e têm CPF, RG, que senta aqui neste plenário”, disse ela, lembrando que o próprio Cattani já pediu a cassação de seu mandato.



“Tenho sido violentada subrepticiamente por diversas vezes e tenho recebido o silêncio ensurdecedor dessa plenária. Por que? Será que só conseguimos nos solidarizar com quem não tem CPF? Com as mulheres, de forma genérica? Eu não sou mulher?”.



A vereadora apontou que há um silenciamento sobre a violência contra as mulheres e cobrou da Câmara que se posicione.



“A defesa das mulheres vai até onde não prejudica a posição política deste ou daquele. Quero ver todas as mulheres serem defendidas independente de seu partido”, disse.



“Não interessa aqui fazer disputa e discussão genérica sobre violência política contra as mulheres se não somos capazes de nos levantar a favor de uma mulher que sofre de violência aqui”.


bottom of page