top of page
160ee6c0-457f-4996-9239-29b5d6455e6c.JPG

Apoiadores comparecem ao plenário em favor de Edna




Apoiadores da vereadora Edna Sampaio (PT) compareceram à Câmara Municipal nesta terça-feira (10) para se manifestar a favor da parlamentar diante do processo do qual está sendo vítima na Casa de Leis.


Além de lideranças do partido e de movimentos sociais, eleitores e co-vereadores e co-vereadoras do mandato estiveram presentes no plenário, empunhando cartazes.


Para o suplente de vereador, Robinson Cireia (PT), a perseguição à parlamentar se deve à sua oposição a Emanuel Pinheiro, e ela deve continuar, diante do posicionamento assumido pelo Diretório Municipal da sigla.


Ele citou a carta aberta aprovada pelo Diretório Municipal em abril deste ano, poucos dias antes do início da publicação das fake news contra a vereadora, e salientou que essa postura foi ratificada durante a última reunião do Diretório, ocorrida neste sábado (7).


“Consideramos que está ocorrendo uma perseguição política, pois, a ‘coincidência’ foi que, logo depois que votamos no partido uma resolução em que criticávamos o prefeito, apareceu a denúncia contra ela. Depois, todo o processo se mostrou um processo de perseguição contra a companheira, sem direito à ampla defesa, de uma forma que parece que já havia um julgamento. O pensamento já era de punir, sem nenhuma prova. Para nós, é uma perseguição muito grande pela liderança que a Edna é e pelo que representa”, disse ele.

Um dos eleitores presentes foi o professor Gilson Romeu da Cunha, para quem a vereadora tem pagado o preço por se opor às irregularidades que ocorrem na Casa de Leis.



“A conheço há vários anos e acompanho sua atuação política, onde tem despontado como uma grande liderança. Estou aqui para defender o mandato porque sem dúvida nenhuma, Edna está sendo vítima de um processo extremamente injusto, pagando um alto preço por ser quem ela é: uma pessoa que, ao longo mandato, tem se comportado com determinação e firmeza em defesa dos interesses da sociedade cuiabana”, disse ele.


“Temos sistematicamente acompanhado pela mídia a discussão desta Câmara, que tem colocado em xeque a postura de uma vereadora que tem pautado questões fundamentais para a sociedade cuiabana, que tem na sua prática a idoneidade. Uma injustiça muito grande está sendo feita e a Câmara não tem cobrado de forma pontual aquilo que é legal. Portanto, uma perseguição política contra uma vereadora que tem a competência necessária para se defender, por parte de vereadores que não têm compromisso com as políticas sociais e com o povo negro e trabalhador”, afirmou a presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep), Helena Bortolo.



“Acredito na inocência e na capacidade dela, que ela está sendo vítima de discriminação de gênero, por ser uma mulher negra de luta. Tenho certeza que tudo será esclarecido. Acompanho-a há décadas, desde antes de ser candidata. Estou há mais de 30 anos no PT e nunca vi nada contra ela, que esteve sempre na luta e na defesa da política social”, disse a professora Maria da Conceição Cortês, a Kota Cortês.


O presidente do Diretório Municipal do Partido, Bob Almeida, salientou que, desde o início das perseguições, o DM tem se posicionado a favor da vereadora.


“Percebemos que tudo o que acontece com a vereadora é para atacar o partido. Coincidentemente, isso começou a acontecer no dia em que nós aprovamos uma resolução de não apoio à atual gestão da Prefeitura e de candidatura própria. O PT sempre esteve ao lado da vereadora e vai continuar a estar. Se amanhã for posto em votação, estaremos aqui para dar força a ela”, afirmou.


bottom of page