“Não podemos tratar a água como mera mercadoria”, diz Edna



A vereadora Edna Sampaio (PT) informou durante a sessão desta quinta (14) que visitou o bairro Osmar Cabral e região, de onde recebeu diversas denúncias sobre os altos valores cobrados pelo serviço de tratamento de água e esgoto, e que esteve na empresa Águas Cuiabá discutindo o tema.

“Encontrei famílias que recebem um salário mínimo e as contas vêm em torno de R$ 400; famílias que, durante um período de seis meses e com dois salários mínimos de renda, pagaram R$ 1.000 de débito, devido às sucessivas contas altíssimas de água”, comentou a parlamentar.

"Queremos entender a competência municipal na política de água e esgoto; como essa política se inscreve na competência legislativa”, disse.

“Vivemos um momento muito difícil para a classe trabalhadora, de desemprego, empobrecimento, e a água é um bem essencial à vida”, comentou ela.

“Não podemos tratar a água como mera mercadoria, que aufere lucro para as empresas e pobreza ainda maior para as famílias”, salientou.

Ele criticou também o baixo índice de ingresso dos consumidores na tarifa social, que hoje só atinge 1% das famílias em Cuiabá, e cujo contrato prevê uma meta de apenas 3%.

“Precisamos discutir esse contrato, que não pode continuar auferindo lucro para empresa e tirando da população o direito ao bem mais precioso e fundamental”, disse ela. “É um problema grave, que se soma ao fato de nós não termos uma política pública municipal que garanta a renda das famílias mais pobres”.