top of page
160ee6c0-457f-4996-9239-29b5d6455e6c.JPG

Movimentos sociais e vereadora fazem pressão contra fechamento do SAE


Francisca, representante das pessoas vivendo com HIV, falando na tribuna livre

Organizações sociais que representam pacientes atendidos pelo Serviço de Atendimento Especializado (SAE) da Clínica da Família, no bairro CPA 1, denunciaram à Câmara Municipal na última terça-feira (9) a ameaça de fechamento do serviço, e estão recolhendo assinaturas para uma petição pública contra a medida.


O local oferece tratamento médico, diagnóstico, medicação e assistência psicossocial a portadores de HIV/AIDS e outras e outras IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis) e seus familiares.


A petição é assinada pela Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/AIDS em Mato Grosso, Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) e Rede Universitária de Combate à Hanseníase (Rede Hans Mato Grosso).


As organizações compareceram à Câmara a convite da vereadora Edna Sampaio (PT). Segundo elas, a maioria dos pacientes atendidos são idosos.


Após, a ação, lideranças dos movimentos afirmaram que houve recuo da administração em relação ao fechamento, e o espaço permanecerá aberto.


“Lá atendemos também pessoas com hanseníase, tuberculose, mulheres grávidas. Nossas crianças não estão mais nascendo com HIV e hoje estamos aqui com o coração muito triste por saber de uma notícia dessa. Peço apoio a todos, que não deixem fechar o que está funcionando”, disse Francisca Batista de Souza, conselheira da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/AIDS em Mato Grosso e membro do Movimento das Cidadãs Positivas.


Ela argumentou que Mato Grosso conta com nove unidades do SAE, algumas delas com péssimas condições de infraestrutura, como é o caso da que fica no bairro Grande Terceiro, onde são atendidas mais de quatro mil pessoas e que a unidade do CPA tem boa estrutura e que o serviço prestado é essencial. “Juntamente com mais de 14 mil pessoas vivendo com o HIV em Mato Grosso, peço que não deixem fechar nenhum SAE”, disse.


A vereadora Edna Sampaio afirmou que tem recebido denúncias de fechamento de outras unidades de saúde, criticou a ameaça de fechamento e cobrou a ampliação dos serviços.


“Pessoas em tratamento contra HIV passam a ter uma condição de vida normal e taxa baixa do vírus, o que reduz as chances de contaminação. Portanto, é muito importante que tenham tratamento, sem descuido por parte do poder público, para que possam seguir tendo qualidade de vida e não propaguem o vírus. A saúde é um tema central em nosso mandato. Agradeço aos pares que se manifestaram sobre isso”, disse.


A pauta recebeu o apoio dos vereadores, entre eles o líder do prefeito, Adevair Cabral (PTB), autor da emenda que deu origem ao SAE CPA, e Sargento Vidal (MDB), segundo o qual será feita uma reforma na unidade do bairro Grande Terceiro.


Neusa Baptista/Gabinete Vereadora Edna Sampaio

Коментари


bottom of page