“Meu nome está à disposição, sou soldado do partido”, diz Edna Sampaio




Durante a sessão ordinária realizada pela Câmara Municipal nesta terça-feira (21), a vereadora Edna Sampaio (PT) reafirmou que mantém seu nome como candidata ao Senado Federal, e que assumirá a candidatura que for definida pelo partido.


No último sábado (18), ela publicou uma carta aberta à militância petista, na qual reafirma seu interesse em dar continuidade à campanha ao Senado Federal, ainda que não conte com o respaldo do partido e de parte do eleitorado.


“[...] passaremos a construir com afinco e determinação o projeto eleitoral que está sob nossa governabilidade. Tudo o que for construído na pré-campanha a Deputada Estadual servirá para o projeto ao Senado, para o qual nos mantemos prontos, bastando sermos chamados pelo PT e por Lula”, diz o documento. Confira versão completa abaixo.


Carta aberta ao PT MTok
.pdf
Download PDF • 348KB


Fazendo uma retrospectiva do ano, ela rebateu as críticas que ouviu nesse período contra o ex-presidente Lula, e salientou sua importância como liderança internacional, e sua liderança nas pesquisas de intenção de voto.


Alertou os pares que compartilham fake news sobre o ex-presidente, salientando a liderança de Lula à frente das pesquisas de intenção de voto e lembrando que ele deixou o governo com o mais alto índice de aprovação já alcançado junto à população.


“Hoje Lula figura, entre os candidatos, como aquele que derrotaria todos os demais no primeiro turno, porque a classe trabalhadora sabe a diferença entre este governo e o do presidente Lula, onde as pessoas tinham direito de comer, ao trabalho, à casa própria, e às políticas públicas. Este governo que aí está, é genocida, responsável por mais de 600 mil mortes e pela destruição, não apenas da classe trabalhadora, mas do país”, disse ela.


"Estamos vivendo um pesadelo, mas ele vai ter fim no ano que vem, quando depositarmos na urna, em massa, toda a classe trabalhadora, o voto 13, o voto do nosso interesse, aquele que pode nos salvar da tragédia que vivemos”, disse ela.


“Pus meu nome à disposição do partido para o Senado Federal em Mato Grosso e continuo mantendo este nome, porque sou um soldado do meu partido. Se meu partido quiser, estou à disposição, pois não podemos ‘arregar’, nem temer”, disse ela.