Mais mulheres na política: Edna realiza reunião no Cabral






A vereadora Edna Sampaio (PT) se reuniu nesta quarta-feira (20) com as mulheres do bairro Osmar Cabral e região como uma ação do projeto “Mais mulheres na política”, cujo objetivo é ouvir as mulheres sobre suas demandas para construir uma pauta de reivindicações aos parlamentares de todos os níveis.


“Fizemos esta proposta ao PT Nacional para ouvir as mulheres aqui em Mato Grosso para saber delas o que querem da política. Teremos a eleição em outubro e é preciso mudar essa realidade, pois quem sofre mais com ela somos nós, mulheres. A gente muda essa realidade ocupando os espaços de poder. Temos que nos conscientizar da importância da política em nossas vidas, pois é ela que vai definir o preço do arroz, do feijão, da carne [...]. A política diz respeito a tudo o que acontece em nossas vidas e não podemos mais ignorar isso, ignorar o fato de que somos maioria e não elegemos os nossos, não temos representação”, disse ela.


A vereadora falou sobre a importância das mulheres na política.


“As mulheres, quando ocupam os espaços de poder, olham para a política de uma forma diferente, pois são mães. Quando pensamos em política, pensamos nos filhos que são nossos e nos que não são, sabemos o que passa uma mãe para criar um filho. Trazemos este sentimento de que os filhos são de todos. As mulheres nunca fazem nada somente para si mesmas”, disse ela



Ela relatou ainda os impactos do governo Bolsonaro sobre a população mais vulnerável, negra, pobre e trabalhadora, afetada pelo desemprego e pela Covid-19.


“Vivemos uma situação muito grave de empobrecimento, em que a fome voltou para o país e esta pobreza que se alastra, a miséria e a fome afetam principalmente a população negra, que vive, ainda as consequências da exclusão social que vem desde a expulsão dos nossos antepassados das fazendas, jogados para as periferias, sem teto, sem trabalho, sem comida, sem direitos, sem absolutamente nada”, disse ela.


“Isso teve consequência em nossa vida e é por isso que somos a maioria dos que não têm trabalho, renda, condições de se alimentar, morar decentemente, dos que saíram das universidades porque os filhos não conseguem mais estudar, pois têm que ajudar os pais trabalhando para poder comer”, disse ela.



A vereadora salientou a falta de representatividade da maioria da população nos espaços de poder e destacou a importância da união da população negra para eleger representantes que lutem por suas pautas, citando o Quilombo nos Parlamentos, ação organizada pelo movimento negro em todo o país.


"Estamos construindo juntos o quilombo nos parlamentos, pois o quilombo é nós sabermos que existimos uns com os outros e uns para os outros e para as outras. Se juntas somos a maioria, somos mais fortes. Podemos ir mais além e organizar o nosso quilombo na cidade inteira, chamar a todas e todos para a importância deste momento. Podemos não morar no mesmo território,mas o quilombo está feito qui na nossa consciência e no nosso coração, pois sabemos que podemos contar umas com as outras”.