Edna Sampaio recebe adesão de lideranças de movimentos

Lideranças de movimentos sociais se destacaram entre os presentes no 1º Encontro “Impulsionar”, realizado na noite desta sexta-feira (08), para mobilizar apoiadores às pré-candidaturas da vereadora Edna Sampaio (PT) a deputada estadual e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da República.




O evento aconteceu de maneira híbrida e reuniu representação dos movimentos sociais (negro, de pessoas em situação de rua, sindical, estudantil, e de mulheres, entre outros). Também participaram representantes de categorias ligadas a diferentes segmentos, entre eles educação e segurança pública.


Entre os presentes estava um dos fundadores da legenda em Mato Grosso, o professor Vicente Ávila.


Segundo a parlamentar, sua pré-candidatura representa os interesses de uma maioria da população, composta predominantemente de negros e mulheres.


“É porque nós somos a maioria que querem nos interditar, para que a maioria não nos ouça. [...] A política é a busca de um poder ‘nosso’, que tiraram de nós. E aqui fica muito bem representado quem são este ‘nós’: as pessoas LGBTs, os negros e aquelas pessoas que, ainda que não sejam de nenhum destes grupos, entendem que a nossa luta precisa acontecer”, disse.




Ela abordou a importância de recuperar o poder negado às populações marginalizadas, de lutar contra heteronormatividade e construir um campo político que dê voz aos setores “silenciados” da população.



“O povo preto e as pessoas LGBT não são minoria neste Estado, e elas estão aqui representando muito bem. Para que não seja apenas a voz dos outros falando, mas eles mesmos podendos ocupar estes espaços e falar. Falar deles mesmos para que nenhuma política e nenhum poder seja exercido sem nós”.


A defesa das mulheres na política e o combate ao racismo são duas das pautas da parlamentar que têm angariado engajamento.



“Apoio a Edna por ela ser uma mulher negra que sempre está à disposição do nosso povo. Estou com ela desde a primeira candidatura e estou apoiando por ser esta mulher guerreira que é na política. Para nós mulheres, e importante estar sempre à frente na luta”, comentou a líder do Movimento Negro Unificado (MNU) em Mato Grosso, Isabel Farias.


“Quando as mulheres se envolvem no espaço de poder, mudam a estrutura. Dados comprovam que a presença de mulheres na política diminui a mortalidade infantil, promove mais políticas públicas de saúde, mais creches etc. Tudo que tivemos, até agora, foi construído a partir dos homens, por isso apoio mulheres na política”, disse a professora e militante pelos direitos das mulheres, Dejenana Campos.



“A população de rua não tem credibilidade, direito, nem capacidade de responder por si próprio. É ainda mais vulnerailizada. Me identifiquei com a luta pelo povo, pela igualdade social, de gênero, pela mudança da ideologia. Como mulher, ela sabe da nossa batalha como mulher trans”, opinou Camila Alves Vieira, mulher trans e representante das pessoas LGBTQIA+ no Movimento Nacional de Pessoas em Situação de Rua, que é natural de São Bernardo do Campo (SP) e vive na capital com o apoio do movimento.


A pré-candidatura tem atraído também não filiados e mesmo pessoas de fora dos movimentos sociais que têm em comum a defesa das pessoas vulnerabilizadas.




É o caso da fonoaudióloga Simone Lemes, que não é militante em movimento social, mas sempre se posicionou politicamente. Durante a campanha de Edna a federal, vi passando um carro de som, no bairro CPA 2, na rua Pará. Eu não sabia quem era, o que era, quando peguei o panfleto, fiquei encantada”, disse ela. [...] Não admito injustiça, luto por Justiça e na Edna eu reconheço essa pessoa de luta e quero estar do lado para ver o que mais posso fazer”.