top of page
160ee6c0-457f-4996-9239-29b5d6455e6c.JPG

Edna Sampaio divulga programação da Semana da Consciência Negra


A vereadora Edna Sampaio (PT) divulgou nesta sexta-feira (4), a programação organizada pelo seu gabinete para a Semana da Consciência Negra, que este ano acontecerá entre os dias 16 e 18 de novembro, reunindo sessão solene, feira de empreendedorismo afro e feira de religiões de matriz africana, entre outras atrações.


A ação é construída pela parlamentar em parceria com entidades do movimento social e negro local e já está em sua segunda edição.


A programação começa no próximo dia 16 de novembro (quarta-feira), às 16h, com uma sessão solene na Câmara Municipal, em homenagem à Semana da Consciência Negra e a Zumbi dos Palmares, onde serão entregues moções a 24 personalidades e apresentado o Estatuto Municipal de Promoção e Igualdade Racial.


O documento, elaborado pela parlamentar juntamente com o movimento negro local, traz diretrizes de políticas públicas nas páreas de: saúde, acesso ao mercado de trabalho, direitos da mulher afro-brasileira, terras quilombolas, comunicação social, combate à discriminação e defesa da liberdade religiosa.


Na quinta-feira (17), a partir das 8h, os movimentos sociais realizarão a “Caminhada Pela Paz e contra o Racismo”, com concentração na Praça da Mandioca e trajeto até a Praça Alencastro, região central de Cuiabá, com paradas em locais em que houve situações de opressão e violência envolvendo a população excluída, como o Beco do Candeeiro, onde ocorreu a chacina de três adolescentes, em 1998.


Das 9h às 18h, acontecerão na praça Alencastro duas programações simultâneas: a Praça do Axé, que reunirá a culinária e os ritos, conduzidos por lideranças de templos de religiões de matriz africana, e a Feira de negócios afro, com exposição e venda de produtos de artesãs locais: artesanato regional, roupas, acessórios, livros usados e itens da culinária cuiabana.


Finalizando o dia, às 19h, acontecerá a mesa-redonda “Religiões de matriz africana”, na escola estadual Leovegildo de Melo, no bairro do CPA 3, que reunirá lideranças religiosas masculinas e femininas e pesquisadores do tema das relações raciais para discutir sobre a realidade da prática religiosa negra na capital e no país.


“Precisamos desmistificar as nossas religiões, pois não é possível que em pleno século 21, as pessoas continuem sendo discriminadas por adotarem uma religião que foi trazida pelos nossos antepassados da África. Queremos combater o racismo estrutural e institucional dos qual, infelizmente, o nosso povo ainda é vítima. Precisamos falar sobre isso, pois se não o fizermos, não teremos como enfrentar o racismo”, disse a vereadora.


Na sexta-feira (18), a programação se encerra com a ação “Negritude em movimento”, que acontece na escola estadual Heliodoro Capistrano, no bairro Parque Cuiabá, das 8h às 12h, com a mesa-redonda “Mulheres e lideranças negras”, reunindo docentes e pesquisadores de relações raciais da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), do Instituto Federal de Educação (IFMT) e da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), encerrando com oficinas lúdicas para os alunos da unidade, a partir das 14h.


A programação da Semana da Consciência Negra se encerra com a ação “Negritude em movimento”, que levará oficinas e atividades lúdicas para os alunos da escola Heliodoro Capistrano, no bairro Parque Cuiabá, a partir das 14h.


“A luta contra o racismo deve interessar ao conjunto da sociedade comprometida com a democracia e com a justiça social. No Brasil, apesar de o povo preto representar mais da metade da população, ele está praticamente ausente na participação dos espaços de poder e isso explica a manutenção de enormes desigualdades raciais em todas as esferas da vida em sociedade”, disse a vereadora.



Ela observa que Mato Grosso, o segundo estado com maior concentração de população negra do país, ainda convive com o racismo.


“A desigualdade profunda entre brancos e negros é resultado das políticas de Estado adotadas ao longo de quase 400 anos de escravidão e, também, após o fim do regime escravagista. Por isso, a principal pauta do movimento negro é a Reparação Histórica do Estado em relação ao nosso povo. Não podemos mais ignorar o racismo e o fato de que com racismo não há democracia”, disse a vereadora.

A programação inclui também uma exposição de histórias e imagens intitulada “Alma negra”, que acontecerá durante o mês de novembro, no hall da Câmara Municipal de Cuiabá, e circulará por alguns espaços significativos da capital, homenageando a trajetória de personalidades negras da história de Cuiabá, entre elas figuras folclóricas, como a lavadeira Maria Taquara.


As atividades contam com a participação de mais de 10 templos de matriz africana e cultura afro-brasileira de Cuiabá e das seguintes entidades: Sindicato dos Trabalhadores Técnicos Administrativos em Educação da UFMT (Sintuf-MT), União dos Negros pela Igualdade (Unegro-MT), União Nacional dos Estudantes, Movimento Negro Unificado (MNU-MT), Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial, União Estadual dos Estudantes (UEE-MT), Comissão de Relações Étnico-raciais do Conselho Regional de Psicologia de Mato Grosso e gabinete da deputada federal Professora Rosa Neide (PT).





bottom of page