top of page
160ee6c0-457f-4996-9239-29b5d6455e6c.JPG

Edna discute Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial em Tribuna Livre



O Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial foi tema da tribuna livre desta terça-feira (21) na Câmara Municipal de Cuiabá, por iniciativa da vereadora Edna Sampaio (PT).


A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) em memória dos 69 cidadãos da cidade de Joanesburgo, capital da África do Sul, que foram assassinados durante um protesto, em 21 de março de 1960, quando a população se revoltou contra a lei que obrigava os cidadãos a portarem cartões de identificação especificando os locais por onde podiam circular. Eles foram atingidos por tiros disparados por tropas do exército que também feriram outras pessoas.


Participou da tribuna a empreendedora Diela Tamba Nhaque, natural de Guiné Bissau, na África, coordenadora da empresa Diela Tranças e Cultura Afro. Ela destacou o desconhecimento da população brasileira a respeito do continente africano.


Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), ela contou que veio para o país por meio de um intercâmbio educacional e que, durante seu contato com os estudantes brasileiros, estranhou seu desconhecimento sobre o continente africano. Para ela, essa realidade leva a população negra a desconhecer e desvalorizar suas origens e sua descendência.


Diela falou também sobre o projeto que coordena, denominado D’jombai, onde oferece, além da capacitação em tranças afro, também formação em inteligência emocional, enfatizando a importância desse trabalho para a autoestima e o desenvolvimento pessoal e profissional da população negra estrangeira e nativa.



“Como vamos capacitar essa população? O que Cuiabá está fazendo para cuidar tanto dos que estão aqui como dos que estão vindo? Estão abrindo portas para os refugiados, estrangeiros, somando com os que já vieram, trazidos como escravos. Várias gerações estão aqui, vivendo e sobrevivendo. Cadê nosso espaço, nossa posição?”, disse.


“Faço essa pergunta a mim mesma, razão pela qual criei uma instituição que, além de trabalhar empoderando famílias negras através de tranças, vestuário e cultura, também ensina às mulheres o empreendedorismo, onde o fundamental é o desenvolvimento psíquico, onde estudamos sobre inteligência emocional, algo de que precisamos muito”, salientou.



Edna Sampaio destacou o racismo ainda presente no país e o quanto há dificuldade de que ele seja percebido pela população, pelo fato de não ter havido uma política de apartheid no Brasil, como ocorreu na África, e apontou a necessidade de dar visibilidade a esta pauta.


“Hoje é o Dia Interncional pela Eliminação da Discriminação Racial, uma data na qual queremos dar visibilidade a esta luta do povo negro, no mundo inteiro, no combate ao racismo. Aqui em Cuiabá, precisamos descortinar a questão do racismo, fazendo a discussão, o debate para que as pessoas entendam que não é fácil para uma pessoa negra viver em uma sociedade onde somos o tempo inteiro retirados de nosso lugar, como se não tivéssemos legitimidade para ocupá-lo”, disse a vereadora.


Edna destacou que no Basil, os homens negros tem três vezes mais chances de serem assassinatos e que homens os brancos e que os negros compõem 80% da população carcerária, mesmo sendo apenas 50% da população do país.


“Hoje é dia de refletirmos sobre essa estrutura invisível, muitas vezes, inconsciente (e outras, muito consciente), que tenta nos atacar e impedir que pessoas negras ocupem os espaços a que têm direito”, afirmou a parlamentar.

bottom of page