top of page
160ee6c0-457f-4996-9239-29b5d6455e6c.JPG

Edna defende protagonismo da Câmara na reconstrução do país


Por: Neusa Baptista Pinto

Assessoria


Durante a abertura dos trabalhos legislativos de 2023 na Câmara Municipal de Cuiabá, nesta quinta-feira (2), a vereadora Edna Sampaio (PT) destacou a diferença entre o cenário político do início da legislatura, sob o governo Bolsonaro, e o momento atual, e enfatizou o protagonismo que a Casa deve assumir no projeto de reconstrução do país proposto pelo governo Lula.


“A Câmara de Cuiabá não é uma ilha. Vivemos sob uma constituição que estabelece a cooperação entre os entes federados. Neste parlamento, que congrega o chão mais próximo da população, é também onde vamos demonstrar à população o que significa reconstruir esse país, respeitar as instituições", afirmou.


“O Brasil mudou completamente. Vivemos um novo tempo, de afirmação da democracia, em que a instituições democráticas convergem para a defesa da democracia, em que a barbárie está sendo impedida de continuar avançando. Um momento importante para a vida do povo brasileiro, para os jovens compreenderem que o Brasil não é o país do ódio e que democracia exige limites, respeito pelas instituições e entre as pessoas”.


Edna lembrou também do genocídio do povo indígena Yanomami, ocorrido sob o governo Bolsonaro, e citou seu desprezo e descuido com as políticas públicas voltadas aos indígenas, lamentando o apoio ao fascismo no país.


“O fascismo é exatamente isso: é quando não apenas o poder se institui enquanto uma violência, mas quando o próprio povo - ou parte dele - assume para si a violência e a desumanização”, afirmou.


“Estamos diante de um governo democrático, popular, que se elegeu com a promessa de reconstruir o país e aqui, de Cuiabá, uma capital talvez distante dos grandes centros de decisão política e produção econômica, também fazemos parte dessa reconstrução”.


A parlamentar defendeu a efetivação de projetos de políticas públicas de sua autoria, aprovados pela Câmara e ainda não implementados pelo executivo, como o programa de combate à pobreza menstrual, que prevê a doação de absorventes higiênicos a pessoas vulneráveis, e disse que continuará lutando pelo combate à miséria na capital e pautando o debate sobre a saúde, “uma política pública que é referência nacional e internacional pela engenharia política que foi construída a partir da responsabilidade dos três entes federados”.


A vereadora ainda parabenizou o atual presidente da Casa, vereador Chico 2000 (PL) por ter construído unanimidade para a constituição da Mesa Diretora. “Tem sido um parlamentar irretocável no tratamento com seus pares, ainda que eu divirja dele em muitas ocasiões”, disse.

Comments


bottom of page