Edna defende participação de jovens e negros na política

Atualizado: 1 de mar.

Por: Neusa Baptista Pinto

Assessoria de Comunicação



Durante o lançamento do Comitê Popular de Juventude “Lula lá, Edna Cá”, na noite deste domingo (27), em Cuiabá, a vereadora Edna Sampaio (PT), reafirmou a importância da participação do jovem e da população negra na política.




A parlamentar destacou que as pautas que defende - o meio ambiente, a condição da mulher e a defesa das pessoas LGBTQIA+ - transcendem o interesse local, e que isso tem a ver com o lugar de onde fala, a universidade, o momento social, a educação superior, de onde vem sua militância.




Ela afirmou que levar para a Assembleia Legislativa o modelo do mandato coletivo, com pautas que representem a diversidade das pessoas do Estado.



“A partir disso, já nesse processo de candidatura, queremos construir o mandato coletivo. Este é o mandato coletivo, quando os jovens vêm para esta construção, não os estamos convidando apenas para construir uma candidatura, mas para participarem da política, para organizarem a juventude, para que a juventude incida diretamente sobre o mandato”, disse ela.



“Essa é outra forma de fazer política, necessária, pois temos mania de achar que política é só para quem tem mandato, para os profissionais da política. E é de tanto delegar para eles que estamos neste estado, com as mulheres, a juventude, as pessoas negras, o meio ambiente sendo massacrados, assassinados”.




A vereadora destacou a importância da participação do jovem na política. “A esperança que eu tenho é nos jovens, que eles sejam a geração da virada, que tragam outras pessoas para a política, que consigam compreender que não há super heróis, que o que faz a qualidade de uma cidade é a qualidade de seus cidadãos, com o que podem dar de melhor à coletividade; temos muitas formas de ocupar estes espaços”.


O coletivo é formado cerca de 80 jovens integrantes ou ligados a movimentos sociais e, foi criado no início deste mês, com parte da mobilização feita por meio das redes (no Instagram @movimentolulaedna).


Durante o lançamento, eles divulgaram uma carta em que expressam deu apoio à pré-candidatura da vereadora a deputada estadual.





“Tá na hora de a nossa geração fazer história e devolver a dignidade ao nosso povo elegendo Lula como presidente e Edna Sampaio Deputada Estadual. Mato Grosso merece e precisa de uma representação como ela, mulher negra, professora, gestora governamental, mãe e avó, tem levantado bandeiras na câmara municipal em defesa dos direitos humanos, da qualidade na promoção de políticas públicas e da inclusão e comprometimento de grupos vulnerabilizados”, diz um trecho.



Racismo



Edna Sampaio reafirmou a exclusão de pessoas negras e mulheres da política, salientando que esta situação não pode ser normalizada.



“A senzala ainda existe e se nós temos algum tipo de empatia, de ética social, precisamos nos indignar com isso e não precisa ser preto para se indignar e mudar essa realidade, assim como não precisa ser LGBTQIA + para lutar pelos direitos destas pessoas. A humanidade caminha para o caos, mas nós precisamos disseminar esperança, entender que a nossa vida não pode ser voltada somente a nós mesmos”, disse ela.



Ela contestou o argumento de que sua presença na Câmara, como primeira mulher negra de esquerda, deveria ser comemorada como um ‘avanço’ da representatividade.




“Diversidade não é ter 25 cadeiras ocupadas a maioria por homens e a maioria absoluta por pessoas brancas e uma cadeira ocupada por uma mulher negra. Diversidade é o equilíbrio na representação das pessoas que existem na sociedade. Se eu estou lá como a primeira, é para denunciar o racismo estrutural que impede as pessoas negras de chegarem até lá, e é isso que tenho feito cotidianamente”, disse.

Segue carta:



Carta de Lançamento do Comitê Popular da Juventude Lula Lá, Edna Cá!


Vivemos dias sombrios no Brasil desde o golpe que retirou a primeira mulher eleita presidenta deste país, Dilma Rousseff. O primeiro passo do golpe foi este, o próximo seria prender a maior liderança popular e líder nas pesquisas em 2018. Lula foi preso em um processo arbitrário e midiático, a recompensa de seu julgador seria o cargo de ministro da justiça. Com a eleição de Bolsonaro vimos o Brasil retroceder.


São 14 milhões de desempregados, 19 milhões de pessoas vivendo apenas com 300 reais, sem falar nos ataques diretos à educação e aos direitos humanos, atingindo mulheres, pessoas negras, indígenas, quilombolas, comunidade LGBTQIA+ e outros grupos minorizados. Vivenciamos a maior crise sanitária e política dos últimos tempos, com um discurso negacionista, Bolsonaro minimizou a pandemia e se referiu a ela como “gripezinha” e “resfriadinho”, essa mesma retirou a vida de quase 650 mil brasileiros. Foram 56 e-mails não respondidos da PFIZER.


Tá passada? Durante este período, o genocida defendeu o uso de medicamentos sem comprovação científica, patrocinou motociatas que defendiam o fim do STF e a volta da ditadura militar e questionou a eficácia da vacina.


Digno de um roteiro de filme de terror ou apocalipse, poderíamos continuar citando inúmeros desastres deste desgoverno, como a enorme fila em busca de pedaços de ossos na capital do agronegócio - onde a quantidade de gado é mais de dez vezes a sua população - e mesmo assim vivenciamos este cenário de miséria, sem falar no fim de programas como Bolsa família que atendia 39 milhões de pessoas, minha casa minha vida e os repetidos ataques à educação pública e setores da assistência social.


Reformas como a da previdência e trabalhista afetaram diretamente a vida dos trabalhadores, que perderam grande parte dos seus direitos e terão que morrer de trabalhar sem se aposentar.


No Mato Grosso, Mauro Mendes projeta a cartilha do governo federal, cortando 14% do salário dos aposentados, fechando e militarizando diversas escolas e se omitindo diante do sofrimento do povo mato-grossense sem fomentar políticas públicas que possam mudar este cenário. O momento exige coragem, luta e resistência! Com esse sentimento, que nós jovens trabalhadores decidimos nos organizar e ser protagonistas nesse momento histórico, ocupando as ruas e as urnas em defesa da democracia e de um projeto popular que coloque o povo como prioridade.


Já governamos este país e mostramos que o Brasil e o seu povo podem mais, com programas e ações como Bolsa família, fome zero, Prouni, Pronatec, Minha Casa Minha Vida, ID Jovem dentre tantos outros que nos trouxeram dignidade. Chegamos a ser a 6º maior economia do mundo, pagamos a dívida com FMI, criamos uma poupança reserva e éramos o povo mais feliz do planeta.


Tá na hora da nossa geração fazer história e devolver a dignidade ao nosso povo elegendo Lula como presidente e Edna Sampaio Deputada Estadual. Mato Grosso merece e precisa de uma representação como ela, mulher negra, professora, gestora governamental, mãe e avó, tem levantado bandeiras na câmara municipal em defesa dos direitos humanos, da qualidade na promoção de políticas públicas e da inclusão e comprometimento de grupos vulnerabilizados. Hoje lançamos esse movimento que irá ocupar as ruas em defesa da vida, dos direitos e de um projeto popular.


Para isso convocamos toda a juventude que irá derrotar Bolsonaro para chegar junto e construir essa vitória. Sabemos que o caminho não será fácil, enfrentaremos nossos algozes com grande poder financeiro, mas não existe força política maior que o povo e nós temos uns anos outros.


´´Somos luzes que faíscam em meio ao caos e vozes abrindo um grande canal´´. Está oficialmente lançado o comitê popular de juventude LULA LÁ, EDNA CÁ!